© Fernando Maia da Cunha - Photography /  fernandomaiadacunha@gmail.com

Estórias do que não me lembro, mas sinto

 

Pequenas pinceladas de lembranças e muita incerteza no pensamento. Meu Pai na primeira infância sempre foi alguém que além de brincar muito comigo, construía os brinquedos. Depois que retornamos ao Brasil dos 8 aos 11 convivi pouco, pois meus pais para minha proteção me deixara morando com minha avó e padrinhos.

Aos 12 anos meus pais se separaram e tudo modificou e na minha adolescência não nos dávamos tão bem até que ele veio a falecer quando eu tinha 18 anos. Questiono sempre a minha memória a cerca destes padrões que trazem as lembranças, e trago raras imagens em que meu Pai aparece e imprimo em papel jornal, matéria prima de sua escrita de jornalista, e com a sua máquina que ainda tenho em minhas mão escrevo sobre estes questionamentos.